Paixão Platónica

Devem perguntar-se que idade terei para dizer que tenho, sim, uma paixão platónica. Pois digo-vos que para ter uma paixão platónica não é preciso ser-se adulto, nem muito menos de uma idade avançada. Nunca se é novo demais para cair nas predições do amor. No entanto digo que há pouco mais de 2 dias comecei a combinar as coisas para os meus anos que serão realizados dentro de 7 dias, e deparei-me com uma situação que nunca pensei que um dia se sucedesse. Mas nada é impossível e eu devia estar mais do que prevenida. Podem dizer que é por ele ser rapaz e por isso não dá muita importância a datas, mas eu não sou do género de pessoa que faz distinção entre os sexos. Pelo menos neste sentido.
Então eu convidei-o para ir a um almoço onde vão também outros dos meus amigos, e ele não sabia que eu fazia anos, não sabia de modo algum o que queria dizer esse almoço de dia 1 de Junho. Magoou saber que eu lhe dei os parabéns á meia-noite do aniversário dele, pois depois de 2 anos acho que era no mínimo minha obrigação saber quando ele fazia anos. E penso que quanto a ele deveria ser assim também. Mas como sei que não posso levar isto muito a peito, pois não sei bem o que significo para ele, não criei grande alvoroço nem manifestei qualquer tipo de desânimo.

Bem, está na altura de explicar o porquê do título “Paixão Platónica”. Conheci-o no aniversário da minha melhor amiga, sabia que ele era o melhor amigo dela mas não sabia mais nada para além de que andavam na mesma escola. A partir dos anos da minha melhor amiga, começamos a falar praticamente todos os dias por mensagem. No ano a seguir mudei-me para a escola deles. Comecei a dar-me mais com ele. Chegamos mesmo a estar apenas os dois nas férias de verão a dar uma volta sozinhos á noite. Mas nada de muito alarmante, pois na altura não sabia o que sentia, apenas desconfiava. Até que comecei a aperceber-me que o meu comportamento ao pé dele não era o mesmo que ao pé dos meus outros amigos, e aí percebi o verdadeiro sentido das palavras “paixão” e “amor”… O tempo foi passando, e eu sempre tive a esperança de o esquecer… Não aconteceu. Este ano (o 2º ano em que o conheço), acabei por contar á minha melhor amiga, e a mais uma ou duas amigas. Elas diziam que ele sentia o mesmo, no entanto, a minha melhor amiga (que por acaso, como já tinha dito em cima, também é melhor amiga dele) dizia-me para eu o esquecer porque só me iria magoar e era o melhor para mim. Ao início não queria compreender, e cogitei que fosse apenas por ele gostar de outra rapariga. Depois as minhas outras amigas diziam e mandavam as tão conhecidas “boquinhas” sobre nós, e eu comecei a evidenciar o que sentia por ele inconscientemente. Chegou a um dia, no final do ano (há um ou dois meses atrás) em que decidi contar-lhe. Contei-lhe o que sentia, mas ele já tinha entendido. Prometeu-me que não iria mudar a sua atitude comigo, coisa que não fez, e estou-lhe grata por isso. Com o tempo descobri coisas comprometedoras, umas pistas ‘dizem’ que ele não gosta nem nunca irá gostar de mim (penso que chegam lá assim), outras ‘dizem’ que ele gosta de outra rapariga, outras que ele até tem namorada, e ainda outras, que ele gosta realmente de mim. Digo que maior confusão que esta na minha cabeça é impossível…


Peço desculpa ter demorado a publicar
um novo post, não tenho tido muito tempo.
Obrigada por lerem.

-L-





Sem comentários:

Enviar um comentário