A pessoa certa, o momento errado.

Parece que a pessoa certa aparece sempre no momento errado. Não vale a pena procurar porque quanto mais nos esforçamos menos somos bem sucedidos. Ás vezes nós esforçamos tanto, e o verdadeiro amor, nunca nos deixou, esteve sempre ali ao nosso lado, nós é que não queríamos ver. Não nos apercebemos que, enquanto nós choramos e nos odiamos por chorar por quem não merece, pode estar alguém também a chorar por nós, a sofrer por nossa causa. Não nos apercebemos que enquanto damos atenção a alguém que não quer saber de nós, magoamos alguém que sempre esteve lá.

Isto tudo magoa-nos sim, porque não vemos mais nada a não ser a pessoa que amamos, ou pensamos que amamos. Porque já virou rotina. Virou rotina imaginar uma vida a dois, o dia do casamento, as discussões, as pazes, tudo, apenas com essa pessoa. Passou a ser hábito imaginarmos essa pessoa no lugar de quem vai estar sempre lá para o resto da nossa vida. E essa rotina, não nos deixar ver mais longe, não nos deixa perceber que para além disso, temos um futuro, e que tudo vai mudar.
Acreditamos que não, que tudo vai ficar como é, que nunca vamos esquecer o que sofremos. Mas temos de pensar que nada é para sempre, nem mesmo a dor. Temos de pensar no que os outros sentem também. Dizemos que não queremos mais preocupar-nos com os outros, mas se não o fizermos, vamos estar a fazer exactamente o que nos fizeram a nós.
Será que é esse o suposto? Será que é isso que tem de acontecer? Será que temos de fazer os outros sofrer para nos sentirmos culpados e percebermos que afinal, nem todos são iguais e há sempre um fundo de bondade no outro?
Se não questionarmos a vida, não saberemos nunca a verdade.

-L

Mova-se.

Sem comentários:

Enviar um comentário