Não sou eu.

Não sabia que um dia iria ficar assim.

Antes jurava a mim mesma que jamais iria virar uma mulher como a minha mãe.
Como é que ela é?
Bem... Dinheiro. Dinheiro é tudo o que se passa na cabeça dela. Para tudo a desculpa é dinheiro. Cria dramas por causa de dinheiro. Discute com as pessoas por causa de dinheiro. Fica de mau humor por causa de dinheiro. Se não tem o que quer, fica de mau humor e trata todos abaixo de cão.
Sempre, desde muito nova, que desprezo a maneira de ser da minha mãe, e de maior parte da minha família, e por isso mal me dou com a minha mãe. E o meu pior pesadelo seria tornar-me numa destas pessoas.
Eles só se importam com eles, se for preciso levam o lema "corram atrás" de uma forma que eu pensei ser impossível.
Eles só pensam em dinheiro, tudo gira à volta do dinheiro.
Estou a tornar-me aos poucos numa pessoa que eu simplesmente desprezaria, e odeio isso.
Eu era o oposto da minha família, e daí na maioria das vezes destacar-me mais no meio desta multidão.
Eu era uma amiga mais do que presente, estava sempre lá para os que se importavam comigo e não queria nem saber do que os outros diziam. Estava lá para eles como se de um irmão se tratasse.
Eu não pensava sequer em €uros, não pensava sequer em marcas ou sequer se eram ténis ou chinelos.
Eu não era mal educada e muito menos falava mal com alguém, detestava a ideia de faltar ao respeito a alguém ou de falar mal com quem sempre esteve lá para mim. Ainda detesto.
E por isto tudo, odeio a pessoa em que me tornei.
Porque me tornei nisto? Não sei, mas tenho várias alternativas.
Poderá ser por influência da família? Não, não pode estar nos genes... está? Não sei.
Poderá ser por desilusões, 'amigos' que jamais o foram e espetaram uma faca nas costas quando menos precisava? Não sei.
Há muitas opções, e prefiro nem pensar nelas. Nem tenho nada que pensar!
O que tenho a fazer é voltar a ser quem era. Voltar a importar-me. Voltar a "ligar a humanidade" em mim.
Deixar de me importar/sentir foi a PIOR decisão que tomei.

-L
Deixa-me ser eu mesma.

Sem comentários:

Enviar um comentário