E um dia a máscara cai.

Tenho tentado, eu juro que tenho.
Tenho me esforçado para manter um sorriso e dizer que está tudo bem quando está tudo mal. Tenho tentado manter a cabeça levantada, mas às vezes as lágrimas são tão pesadas que, ao quererem caír, obrigam-me a baixa-la. Tenho aguentado todas as bocas e todos os comentários, todas as facadas e todos os "nadas" que acontecem. Tenho ignorado a falta do verdadeiro sentido da palavra "amizade". Tenho tentado aguentar a falta de carinho de pessoas que disseram esta mesma frase "És como a irmã que eu nunca tive" ou "Sabes que vales muito". Tenho ignorado o mais fortemente possível a falta de confiança das pessoas que diziam "Confio tudo em ti".
Sim, tenho ignorado muita coisa, porque sei que se for juntar tudo, vou explodir.
Eu nunca fui de chorar à frente de ninguém. Nunca fui de me mostrar mal á frente de ninguém. Nunca fui de desabafar, sempre fui mais de ouvir.
Nunca fui de ser abraçada nem de dar abraços, a menos que fosse mesmo muito preciso, porque aprendi a ser fria. Cada vez acho mais que ser fria, é coisa que eu nunca devia ter deixado de ser.
Gostava de deixar de sentir o que sinto, deixar de ver o que vejo, deixar de ouvir o que ouço. Mas não dá. Eu sou assim, e não consigo mudar.
Custa-me ver pessoas a saírem da minha vida, mas custa-me mais que elas se percam nelas mesmas.
Tenho uma máscara posta todos os dias. A máscara da menina que está sempre bem, ou que pelo menos nunca está mal ao ponto de chorar. Á noite essa máscara cai, vai para o lixo, e de manhã ponho outra nova.
Sempre me disseram, "O que ninguém sabe, ninguém estraga",mas lembro que, a pessoa que me ensinou isto, sempre disse, "Tens de ter um porto de abrigo, tens de ter amigos verdadeiros. Eles vão dar-te na cabeça as vezes que forem necessárias, e tu vais ter de aceitar se eles tiverem razão. O mesmo será aplicado a eles enquanto tu fores amiga deles.", e esta mesma pessoa ensinou-me o verdadeiro sentido da palavra "amizade".
Amizade é quando as pessoas realmente se preocupam contigo. É quando dizem um simples "como estás?" e daí surgem mil e um outros assuntos, mas esse "como estás?" é sentido. Não basta repetir 'n' vezes "tens a certeza?", convém que a pessoa que pergunta, se preocupe mesmo, caso contrário nunca saberá a resposta. Amizade é quando há confiança para TUDO, não é só para se falar dos "gajos bons" ou (no caso dos rapazes) das "gajas boas". É ter confiança o suficiente para contar "conheci uma pessoa" e perceber que o(a) amigo(a), pode ter dado na cabeça várias vezes, mas vai ficar feliz, porque é isso que os amigos fazem. Os amigos ficam felizes pelos outros! Os amigos dizem "Eu prefiro o X mas se achas que fazes bem em tentar com o Z então eu fico feliz por ti e vou estar sempre aqui", não é chamar nomes à pessoa que o amigo ama. Se o amigo diz que ama, que gosta, mesmo depois de tudo o que aconteceu, então só tens a obrigação de respeitar. Até podes não apoiar, mas, respeitar, é o mínimo. Amizade não é quando há cruzamento de caminhos e não sabemos por onde ir, mas sim quando há um único caminho: a honestidade, a verdade, a confiança, a sinceridade. É dizer na cara o que se acha. É fazer aquilo que se sente. É magoar quando é preciso. É gritar quando é preciso. Mas também é soavizar a dor quando é necessário e acalmar com palavras doces.
A base da amizade é a confiança e a honestidade. Sem isto, não há amizade. E eu, tenho muitas que acabaram por falta de uma destas bases.

Um dia, a máscara vai cair, e vão perceber o verdadeiro sentido de eu ser assim. Até lá. Não me julguem.

Sem comentários:

Enviar um comentário